Páginas

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Tanto tempo longe de você!

Tanto tempo sem escrever no blog! Que saudades!

Vou tentar justificar. A minha internet não é muito boa e além disso o governo chinês bloqueia a maioria dos sites e aplicativos internacionais, como por exemplo, o Facebook, o Google, YouTube, etc, etc. Assim fica complicado, mas não impossível! 

Para conseguirmos acessar esses sites, utilizamos uma ferramenta chamada VPN. Não sei explicar como funciona, mas conseguimos acessar a internet como se estivéssemos em outro país em que esses sites são liberados. 

Esse serviço tem um custo. Nós pagamos uma média de $100 dólares por ano. É caro, mas necessário se quisermos nos conectar com o mundo. Porém, a internet fica ainda mais lenta. Isso me desanimava muito, tantas vezes comecei a escrever e perdia tudo, toda hora. 

Mas talvez esteja melhor hoje, já que ainda não caiu (uhu! mas melhor não elogiar).

Para quem ainda não me conhece, eu sou a Fabiana e hoje moro em Shenzhen, na China. Porém, se quiser vasculhar o blog fique à vontade, eu morei no Japão por 2 anos e tem várias curiosidades sobre lá. Inclusive, fica difícil não comparar Japão e China, já que são tão próximos. Mas já vou adiantando que tem poucas semelhanças, acho que fica mais nos olhinhos puxados.

Obrigada por embarcarem comigo nessa viagem! Meu intuito não é fazer sucesso e nem divulgar nada, é apenas registrar um pouco deste momento (tenho um filho de 5 anos que possivelmente não se lembrará de muita coisa no futuro), auxiliar as pessoas que pretendem viajar para Shenzhen e também pessoas curiosas e interessadas nas diversas culturas, principalmente a China, um mundo à parte!

Muito obrigada!

Até! ;)

Fabi 



domingo, 27 de setembro de 2015

Festival de Meio de Outono - Mid - Autumn Festival

Ni Hao! Olá!

Hoje é um dia especial para os chineses!
É feriado, o Festival da Lua, ou Mid - Autumn Festival (Festival de Meio do Outono). Essa data é muito popular e celebra abundância e união.

Este feriado acontece no 15º dia do 8 mês lunar do calendário chinês e coincide com o equinócio de outono do calendário solar. Esse é o momento ideal, quando a lua está cheia em seu maior esplendor, para comemorar a colheita do verão.

As pessoas comemoram oferecendo os moon cakes, ou bolo da lua.
Para eles é o segundo feriado mais importante, perdendo para o Ano Novo Chinês. Como se fosse a nossa Páscoa, mas ao invés de presentear com ovos de chocolate, são os bolinhos. Eles oferecem os tais bolinhos para amigos, família, pessoas do trabalho etc. 

Eu não sabia dessa festa, mas na sexta feira meu filho ganhou um bolinho deste de umas mulheres (mesmo assim continuei não sabendo, achei que fosse um agrado normal). No sábado, na aula de futebol do meu filho, eles deram bolinhos (mas de chocolate!) no final da aula, e então o tradutor disse que era por causa do feriado da lua. Mas não soube explicar o motivo. Foi ai que eu fui pesquisar na internet. 

Infelizmente, não existem muitos blogs relacionados à China como em outros países, talvez porque nem tenha tantos brasileiros aqui como em outros lugares. E ainda, no Japão eu tinha uma amiga que me contava tudo, como eram as tradições, cultura, curiosidades e fofocas de lá. Ficava muito fácil escrever. 
Por esse motivo eu não voltaria a relatar minhas experiências no blog, mas decidi tentar. Não sei se vou conseguir, mas tentarei. Mesmo que seja apenas com a minha visão das coisas.

Hoje, no final da tarde, fomos presenteados pelo hotel que estamos com essa linda caixinha com um moon cake.  A massa é fina e o recheio doce, mas não consegui identificar do que é. Não é muito gostoso (para o meu paladar - por enquanto). No meio tem uma semente que representa a lua. Muito gentis, adorei!

Hoje fui no mercado e estava uma loucura, pessoas desesperadas querendo comprar seus bolinhos!  E não são baratos. Alguns em caixas chiquérrimas com 6 bolinhos custavam 150 reais!
Realmente a loucura no mercado me lembrou a Páscoa no Brasil, naqueles anos em que o brasileiro comprava mais... esse ano acredito que deve ter sobrado ovo nas prateleiras, compramos apenas o essencial... Mas esse papo de crise no Brasil fica para um outro momento...

Um beijo e bye bye!

Fabi 

* Fonte: Wikipédia


De volta ao blog: Bem-vindos à China!

Olá pessoal! 
Que felicidade retornar ao blog e poder registrar um pouquinho do meu aprendizado e curiosidades longe do nosso Brasil.
Esse tempo que fiquei afastada estive em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul. Lá também tem muita coisa interessante, qualquer dia escrevo sobre isso.

Estou morando há 15 dias em Shenzhen, na China! Sim! Isso mesmo!
Quem diria que 2 anos depois do nosso retorno ao Brasil e após começar novamente a criar raízes lá, nós retornaríamos à Ásia? Ninguém, né! 
Mas, enfim, estamos aqui!
Meu objetivo com esse blog, para quem não lembra ou não me conhecia, é simplesmente o registro e contar um pouco aos amigos como é viver por aqui. Tenho um filho de 4 anos que provavelmente não se lembrará dos nossos meses pela China, então terão alguns registros aqui pra ele ver quando estiver maior.
Espero que gostem!
Já posso adiantar que mesmo vizinhos, China e Japão não tem muito em comum, além dos olhinhos puxados. 
Esse papo vai dar muito pano pra manga.
A internet aqui é muito fraca e ruim, nem sei se vou conseguir postar esse texto hoje, mas mesmo assim darei um bom dia pro pessoal do Brasil e boa noite na China.
* Estamos com 11 horas de diferença (horário de Brasília).

Beijinhos
Bye bye!
Fabi

sábado, 4 de maio de 2013

Primeiros dias


Olá!

Dando continuidade ao texto de ontem, vou falar mais um pouquinho sobre meu retorno ao Brasil. Prometo não ficar reclamando, nem ficar comparando muito. Mas agora no começo isso é inevitável, até porque é o que eu estou sentindo.

Nos primeiros dias quase tudo aqui é irritante. 
As coisas são caríssimas e ruins (isso porque viemos de um país considerado caro).
No supermercado, tudo fora do lugar, sem preços, etc.

Nas ruas é pior ainda, o trânsito infernal, com essa má engenharia de trânsito, em que há mais carros que espaço, barulho, as calçadas são péssimas, com buracos e degraus. Digo isso porque ando com o carrinho de bebê, e eu diria que é praticamente impossível, um rally!
Não conseguir atravessar a rua na faixa de pedestres é um absurdo! Fica a dica aqui para quem dirige: respeite o pedestre! Sem contar que é lei, não é bondade. Fiquei mais de 5 minutos na rua de casa para conseguir atravessar, mesmo com bebê ninguém parou.

E a sujeira, gente? Por mais que tenham pessoas para limpar o chão e há muitas lixeiras, não vence! Tem muito lixo. Por quê? Por que as pessoas não podem guardar o próprio lixo e jogar depois, ou procurar uma lixeira mais próxima? Se cada um fizer sua parte ficaremos num ambiente mais agradável, com menos bichos e pragas, menos enchente.
No Japão não existe lixeira, sabiam? Nem na rua, hospitais, escolas, estação de trem e ônibus, etc. E não há 1 lixinho sequer no chão! Impressionante!

Ufa!

Agora respira, Fabiana... esse é o seu país. Perto de outros, ainda uma criança, com muito a aprender. (O pior é que nossa colonização foi péssima, se compararmos com os Estados Unidos que tem o mesmo tempo...)
Mas é sério, alguém me disse isso, que se eu ficasse estressada e nervosa com tudo aqui eu morreria do coração (que exagero! rs). Disseram que eu deveria relaxar, deixar para lá, afinal o Brasil é assim mesmo e não vai mudar. Eu não concordo e vocês? Esse é o pensamento conformista do brasileiro. Que se já tem lixo no chão qual o problema dele jogar também? E por ai vai.

No começo do texto eu disse que não reclamaria muito, mas foi difícil. Desculpem o desabafo!
Isso foi no começo, agora já estou mais acostumada! Eba! Que bom que o ser humano se adapta a tudo. 
Por outro lado, os brasileiros são simpáticos e gentis. A maioria se preocupa com o outro, com o vizinho, com quem nem conhece, enfim, são mais solidários.

Muitas vezes vi pessoas no Japão precisando de ajuda por estar com cadeira de rodas, ou idoso, com bebês... Ninguem se envolve nem ajuda. Eu estava em uma estação, em uma escadaria com o carrinho de bebê. Tive que carregar no colo o carrinho para descer, ninguem se prontificou em ajudar. Aqui aconteceu a mesma coisa, assim que abaixei para pegar o carrinho 3 pessoas se prontificaram, e ainda com simpatia.

Aconteceu uma cena no supermercado, um homem em uma cadeira de rodas foi fazer compras e ao colocar o saco de compras pendurado atrás, ele estourou e as compras cairam no chão. Muitas pessoas ao redor ficaram apenas olhando e disfarçaram. O coitado do homem ficou tentando pegar as coisas mas não conseguia. Nem um funcionário ajudou. Até que uma estrangeira que estava próxima pegou tudo e comprou uma sacola nova para ele.

Uma amiga caiu da bicicleta com suas compras e tudo caiu no chão e começou a rolar pela rua. Ninguém ajudou, ficaram apenas olhando. Ela deu um grito, nervosa, em português: "ninguém vai ajudar não, vão ficar olhando?" Todo mundo abaixou e começou a pegar as frutas. Foi até engraçado, parecia que eles tinham entendido (tipo novela Salve Jorge que qualquer um fala português na Turquia rsrs)

Enfim, quero dizer que nem tudo é perfeito. Minha amiga que mora há muitos anos no Japão disse que essa é a cultura dos japoneses, e que não é que eles não querem ajudar, mas eles são tímidos e não querem que você pense que eles te acham incapazes. E dizem que muitos idosos e pessoas com problemas se sentem ofendidos. Faz sentido então...

Cultura é assim mesmo, cada um tem a sua e deve respeitar a outra. 
O problema é que o Brasil é diferente, precisava começar tudo do zero, com educação, investimento em saúde, e tudo mais que estamos carecas de saber.

Espero que tenham um ótimo domingo!

Beijos

Fabi




sexta-feira, 3 de maio de 2013

Novas Primeiras Impressões: a volta

Oi pessoal, que saudades!!!

Depois de um bom tempo sem escrever nada, voltei!

Após 2 anos morando no Japão, eu queria contar um pouquinho do que senti quando cheguei aqui.

Quero que vocês percebam que moro em São Paulo, capital, então nem tudo se encaixa para outros cantos do nosso país, que é tão grande e com tanta diversidade. 

As diferenças Brasil-Japão obviamente são grandes, mas como tudo nessa vida tem o lado bom e ruim.

Assim que desembarcamos no aeroporto de Guarulhos, percebemos que realmente chegamos no Brasil.
Quem nunca foi para outro país acha que tudo está bom, por exemplo, os banheiros são velhos, sem tampas, com a lixeira transbordando, sem álcool para limpar o vaso (querer demais? rs) e muito menos aquela tampa inteligente que aquece e ainda tem ducha (hehe brincadeira, já era querer milagre).
Nosso amigo que ficou apenas 5 meses no Japão até comentou que tinha ficado muito mal acostumado e fresco, que até o papel aqui era ruim.
Os carrinhos de levar as malas são péssimos, quebrados e muito difícil de andar. Fiquei pensando na primeira impressão dos estrangeiros quando desembarcam aqui.
Acho que a construção é bonita, rústica. Nada comparado a Dubai, que é um espetáculo, mas tem sua beleza.


Para vocês babarem um pouquinho, umas fotos do aeroporto de Dubai e Osaka, onde passamos antes de chegarmos aqui. 



O Aeroporto de Dubai é simplesmente um luxo! Isso porque essa parte é interna, apenas quem vai embarcar tem acesso. Tem árvores, cachoeira artificial, a arquitetura é lindíssima. É muito, muito grande. Já passei por lá 4 vezes e não conheci tudo (com criança é mais difícil). 

O Aeroporto de Osaka, onde embarcamos é grande, bonito mas mais simples que Dubai. Tudo impecavelmente limpo.



O lado bom do Brasil sem dúvida são as pessoas. Muita alegria, oferecem informações e indicam locais. No aeroporto do Japão são todos sisudos, e a maioria até grossa, sem a menor intenção de se fazer entender. Provavelmente por eu ser estrangeira, e talvez brasileira. Mas vi como o atendimento no Brasil com estrangeiros é bom e simpático.

Logo que saímos do aeroporto, após toda a alegria do reencontro com a família, a estrada é boa, mas sentimos um medo inesplicável, como se fôssemos assaltados a qualquer momento, se alguém nos seguisse. É porque estávamos em um lugar seguro demais, e assistíamos muitos telejornais que só transmitem violência.
A saída de Guarulhos para São Paulo também tem muita favela, então fica aquela imagem feia da cidade, sabem? Quem é de fora com certeza estranha... 
E nós levamos alguns dias para nos acostumar, mas para nós, brasileiros é mais fácil.

Amanhã continuo falando um pouquinho mais sobre isso.
Beijinhos a todos e um ótimo fim de semana!!!

Fabi




domingo, 24 de março de 2013

Despedida do Japão

Olá pessoal!!


Acho que já dei a entender, mas não falei diretamente... Estou indo embora para o Brasil! A viagem já é amanhã, mas eu ainda tenho tanta coisa para falar!! Exatamente por isso vou continuar a escrever mais um pouquinho sobre o Nihon.


Os dias passaram tão rápido, principalmente nas últimas semanas com a correria de mudança, organizar das malas, blá, blá, blá...

Para terem uma ideia, agora são 4h da manhã. Mas se eu não escrever agora, só conseguirei lá do outro lado do planeta, e não faria sentido.



Eu estive muito tempo pensando se eu continuaria ou não com o blog, afinal, ele começou com o intuito de contar curiosidades e acontecimentos sobre esse país tão diferente do nosso. Mas decidi continuar, não com a mesma frequência, claro, afinal não tem tantas curiosidades assim no Brasil, para nós brasileiros. 



O blog é nosso espaço, um canto que aprendi a gostar. O nome já diz: "Meu olhar pelo caminho", o caminho onde estou. E onde passei. Não necessariamente precisa ser outro país, não é? Tenho tantos amigos fora de São Paulo que achariam muito interessante conhecer mais sobre nosso estado, ou amigos portugueses e até japoneses. Sem contar pessoas de outros países que acessam o blog.

O que sentirei muita falta do Japão - Top 5:

  • Educação e bom tratamento entre todos;
  • Segurança e tranquilidade;
  • Andar de bicicleta com segurança, com ciclovia em todos os lugares;
  • Sushi (não venham dizer que no Brasil também tem porque não é igual!)
  • Novidades (tecnologia, cosméticos, etc.)
Mas claro que acima de tudo estão os amigos que conheci. Alguns que infelizmente provavelmente não verei mais... :( 


Nessa terra passei 2 anos da minha vida. De aprendizado, esperança e até angústia algumas vezes, por medo de terremoto. Graças a Deus nesse período não senti nenhum em Nagoya (1 vez em Tóquio, como já comentei aqui, mas fraquinho).

Levarei muita coisa boa daqui no meu coração. E ainda acho que todas as pessoas deveriam passar pelo menos 1 mês na terra do sol nascente, para terem noção do que é viver em sociedade e respeitar o próximo (e ser respeitado pelos governantes, ter boa educação, saúde, trânsito, condições de compra e menos discrepância entre as classes).

Agradeço muito o carinho de vocês, mas não é nossa despedida aqui, ok!? rs

Beijinhos,

Bye bye 

Fabiana






sexta-feira, 22 de março de 2013

Embalagens individuais

Olá!!

Imaginem abrir uma embalagem de bolacha e as bolachas estarem embrulhadas individualmente. Estranho, não é? Pelo menos eu achei, no começo.

Aqui no Japão, 80% (acho! Só para dizer que é muito rs) dos produtos estão embalados individualmente. No princípio, já comecei com as minhas críticas, dizendo que era um absurdo com o meio ambiente. Afinal, é muito material plástico, muito lixo!

Mas conversando com a minha amiga, percebi o outro lado. Em primeiro lugar, eles reciclam esse lixo. Em segundo lugar, o produto fica muito mais conservado estando embalado. Não precisamos comer tudo de uma vez e se sobrar não fica murcho, não vai para o lixo.
Podemos levar na bolsa somente duas bolachinhas para um lanche, olha a praticidade!

Eu estou falando em bolachas, mas não é só isso! O queijo tem as fatias individuais embaladas. O presunto tem de 4 em 4 fatias. 
Muitas frutas também são embaladas uma a uma. 
Na padaria, escolhemos os pães, baguetes, donuts, doces etc. e quando a atendente embrulha, é um em cada saquinho plástico. 
Há salgadinhos em embalagens pequenas vendidas dentro de um saco grande, para facilitar para as mães, assim a criança não come muito e não sobra. Amendoins, petiscos, etc...










Bom fim de semana!!! 

Beijinhos e bye bye!

Fabi